Arquivos

Votação
 Dê uma nota para meu blog

Outros links
 UOL - O melhor conteúdo
 BOL - E-mail grátis
 autores de cinema
 olhos livres
 ilustrada no cinema
 ilustrada no pop
 cacilda
 marcelo tas
 carla rodrigues
 blog do duilio
 blog do jean-claude bernardet
 marcelo coelho
 Galeria de Arte Murilo Castro
 museu de arte moderna de sao paulo
 museu de arte sacra de sao paulo
 museu oscar niemeyer
 museu historico nacional
 museu de arte sacra da bahia
 revista museu
 museu lasar segall
 itau cultural
 museu de arte contenporanea de niteroi
 museu de arte contenporanea de sao paulo
 museu de arte de sao paulo
 pinacoteca de sao paulo
 museu do oratorio
 casa triangulo
 gabinete de arte raquel arnaud
 galeria brito cimino
 galeria luisa strina
 galeria milan
 marilia razuk galeria de arte
 paulo darze galeria de arte
 espaço de arte ybakatu
 galeria de arte silva cintra
 galeria nara roesler
 galeria vermelho
 galeria virgilio




Blog de avekete
 


FLOR DO SAMBA: HISTÓRICO

 

Um grupo de engraxates, pescadores e arrumadores de estiva reunidos num largo da rua da Estrela, em 1939, decidiram fundar um bloco para animar o carnaval de São Luís, que depois se transformaria em Escola de Samba. Com o nome de Flor do Samba, uma homenagem a Nêga Fulô, uma negra danada de acessa na punga, que andava pelas ruas do bairro do Desterro e Praia Grande. O bloco, tendo a frente a Nêga Fulô, saiu pelas ruas de São Luís fazendo sucesso, conquistando a partir daí o maior número de títulos do carnaval maranhense.

Com o advento das transmissões do carnaval carioca pela TV, no ano de 1973 e as inovações realizadas por Carioca, então seu carnavalesco, a Flor do Samba passa a adotar uma nova roupagem com enredo, alas, alegorias de mão e samba enredo, influenciando as outras escolas.

Em 1974, a GRES Flor do Samba a escola ganha seu primeiro campeonato na nova modalidade de concurso, possuindo atualmente a maior quantidade de títulos do carnaval maranhense.

Sua estética é marcada pelo luxo e brilho dos materiais utilizados nas fantasias, alegorias e adereços, como a seda, o cetim, o lamê, o paetê, a pluma, o acetato, o plástico colorido, a espuma, metalóide e brocal.

1974 – Primavera (campeã)

1975 – Os Bandeirantes (vice)

1976 – Aquarela do Brasil (campeã)

1977 – Os Cincos Bailes Imperiais (4º lugar)

1978 – O Mundo Encantado do Circo – (3º lugar)

1979 – Haja Deus (campeã)

1980 – Do Daomé a Casa das Minas (bicampeã)

1981 – Sua Majestade o Carnaval (vice)

1982 – O Touro Rei na Praia dos Lençóis (vice)

1983 – Axé, Xangó Axé (vice)

1984 – A Arte Que Vem do Povo (campeã)

1985 – O Domingo é Nosso (bicampeã)

1986 – Não desfilou

1987 – A Negra Maluca Que Enfeitiçou o Desterro (vice)

1988 – Em Terra de Poeta a Flor é Marrom (vice)

1989 – Nem Tudo que Reluz é Ouro (campeã)

1990 – O Arquiteto da Ilusão (bicampeã)

1991 – Parabéns para Você (3º lugar)

1992 – Horário Nobre (3º lugar)

1993 – Línguas de Fogo (3º lugar)

1994 – Josué Montello (vice)

1995 – Apolônia Pinto 1ª Dama do Teatro (campeã)

1996 – Não houve concurso

1997 – No Rabo de uma Estrela (bicampeã)

1998 – No Saçarico da Flor, a Glória do Tricolor (vice)

1999 – O Fofão quem diria acabou na Bahia (Não desfilou)

2000 – WWW.Flor Brasil500.Com.br (vice)

2001 – Os Sete Pecados da Capital (vice)

2002 – Saint Louis ou São Luís? Enfim uma Só Paris

2003 – Antonio dos outros Sermões Vieira (vice)

2004 – Pira Pirou Zé Piranha Voltou (3º lugar)

2005 – Caxias, a Terra de Gonçalves Dias (3º lugar)

2006 – De Daomé a Casas das Minas (vice) 

2007 – Quem Canta seus Males Espanta (Não desfilou)

2008 – São Luís é tão Bela quanto a Flor (4º lugar)

2009 – Haja Deus! Um Canto À Capital Brasileira da Cultura

Fonte: Programas de sambas enredo.

ENREDO DESTE ANO

HAJA DEUS

(O HINO)

 

Compositor: Chico da Ladeira e Augusto Tampinha

 

Para o amigo Isaías Pereirinha

 

Haja Deus quanta beleza

A flor do samba vem mostrar

São festejos e motivos

Da cultura popular

Haja Deus...

 

O amo canta

Uma toada pro guarnicê

Matraca toca boi dançando até o amanhecer

Salve o divino ô salve o Divino, meu imperador

Ao som das caixas pedindo esmola e amor

 

Meu boi bumbá

Bumba meu boi

Meu cazumbá onde é que foi

 

O carnaval é a festa maior

Tem colombina ô tem dominó

No jogo do baralho

Quem se espanta é o fofão ôlálá

Chegou cruz-diabo coma lança na mão

Ô ô ô ô ô ô

O negro canta em dialeto

Lá na casa de nagô

Tambou rufou é mina, o terreiro empoeirou

 

Tambor de criola

Na avenida a tocar

E a negra velha

Sai dançando o pungá

 

A rabeca dá cadência ao contrapasso

Na baixada o lamento ecôou

São Gonçalo é festa religiosa

Pela-porco de Rosário

Foi a França que exportou

 

Cavala-canga

Curupira e Perêrê

É tarde eu já vou indo

Vou dançar o lê lê lê

 

CURIOSIDADES: Fazem 30 anos desse enredo, é considerado o hino da cultura popular maranhense, é o ano da França no Brasil e São Luís é a Capital Cultural Maranhense.



Escrito por kete às 15h37
[] [envie esta mensagem
] []





CARNAVAL MARANHENSE: APONTAMENTOS HISTÓRICOS

A partir de hoje irei comentar sobre o carnaval maranhense, principalmente  sobre as escolas de samba, motivo de paixão e ódio, dos gestores estaduais e municipais que regem a cultura do estado.

As Escolas de Samba, sendo ou não cópia das do Rio de Janeiro, elas tiveram e tem seus méritos enquanto forma estética de criação popular.

Os enredos proporcionaram a redescoberta da história do Estado, de poetas e artistas, além de outros temas inerentes a cultura e a formação do povo maranhense.

Para dar vida aos enredos artesãos de várias gerações, imprimiam nos tecidos, palhas, papelão, isopor suas criações estéticas.

As escolas de samba são fontes de inspiração poética  e de geração de renda.

 extinta MARATUR e o governo do Estado do Maranhão realizam o primeiro concurso de Escolas de Samba, nos moldes do Rio de Janeiro, com regulamento observando aos quesitos: samba enredo, enredo, alegoria, ala das baianas, bateria, comissão de frente, mestre sala e porta bandeira, entre outros.

Eu sou o samba. Participo ativamente dos barracões das Escolas de Samba como artesão ou chefe de ala e da passarela como folião.

As Turmas de Samba passaram a ser denominada escolas de samba a partir do ano de 1974 quando a 

Significa que até o ano de 1973, as escolas de samba desfilavam de duas maneiras: uma para um palanque oficial, na praça Deodoro (com o concurso organizado pela imprensa) e a outra, visitando os bairros,  residências e clubes sociais.

 As Escolas de Samba, até então, chamadas de Turmas, compunham músicas sobre amor, rivalidade entre as turmas e ou homenageavam políticos, e as turmas eram compostas de porta estandarte (homem com o símbolo da escola e uma mulher com a bandeira), balizas (crianças e rapazes jovens com lenços fazendo acrobacias), batuqueiros (homens) e rainhas e princesas, cujo figurino reportava-se aos ideais da corte francesa. Cheguei a assistir a evolução das seguintes escolas:

- Imperador do Samba;

- Águia do Samba;

- Salgueiro do Samba;

- Duque do Samba;

- Império Serrano;

-  Marambaia;

- São Francisco do Samba;

- Flor do Samba;

- Terrestre do Samba;

- Canário do Samba;

- Baralho do Samba;

- Favela do Samba;

- Mangueira do Samba;

- Unidos do Bairro de Fátima;

- Maracanã do Samba; 

- Camboa do Samba;

- Unidos de Vila Embratel;

- Pirata;

- Ideal do Samba;

- Turma do Quinto;

Romeiros do Samba, e tanta outras que a memória falha.

 

 



Escrito por kete às 15h23
[] [envie esta mensagem
] []



 
  [ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]